PROCURAR

Congresso 2017

  • Presidente Reeleito Eng. António Monteiro
  • Membros da Direção do Partido
responsive jquery slider joomla

Notice: Undefined variable: root in /home/ucidcv/public_html/plugins/content/soccomments/soccomments.php on line 129

UCID aplaude a recompra de acções da CV Telecom mas pede que ASA e INPS as conservem

O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) considerou hoje de “muito boa” a decisão do Governo de mandar recomprar as acções da CV Telecom, as quais, no entanto, devem “ser mantidas” pela ASA e pelo INPS.

António Monteiro, em conferência de imprensa, na manhã de hoje, no Mindelo, reagia ao anúncio da compra de 40 por cento (%) das acções da CV Telecom, detidas pela empresa portuguesa PT Ventures, pela empresa Aeroportos e Segurança Aérea (ASA) e pelo Instituto Nacional de Previdência Social (INPS).

A UCID justificou a “bondade” da medida com o facto de as acções voltarem para “duas empresas estatais sólidas e que dão garantias” de que as acções agora recompradas poderão servir como base para “mais lucro” à ASA e ao INPS.

“A atitude do actual Governo para resolver a questão é boa, mas devo realçar que a ASA, em 2017, teve um lucro de 2,2 milhões de contos e a instituição INPS é a responsável por gerir os fundos de pensão, ao adquirirem essas acções deverão mantê-las”, sugeriu.

Daí, prosseguiu, discordar da “intenção do Governo” de privatizar a ASA, “como já anunciado”, por não vislumbrar o sentido de o Governo temporariamente fazer com que parte dessas acções passassem para a ASA, para posteriormente serem vendidas.

“A ASA não deve ser privatizada”, sentenciou Monteiro.

Relativamente ao INPS, que, segundo a mesma fonte, passa a deter mais de 57% das acções da CV Telecom com esta operação, espera a UCID que o Governo “reanalise friamente” esta posição do INPS e fazer com que a instituição mantenha a posição actual na CV Telecom.

“Porque se trata de uma das grandes empresas cabo-verdianas e que dá lucro, e o INPS necessita desses lucros para garantir o futuro da instituição e o pagamento das pensões”, sintetizou António Monteiro.

Fonte : Inforpress