PROCURAR

Congresso 2017

  • Presidente Reeleito Eng. António Monteiro
  • Membros da Direção do Partido

Notice: Undefined variable: root in /home/ucidcv/public_html/plugins/content/soccomments/soccomments.php on line 129

Perspetivas da UCID para o novo ano político

Perspetivas da UCID para o novo Ano Político, que se inicia nesta quarta-feira, 09 de Outubro, com a primeira sessão do ano parlamentar 2019/20.

- Estamos a preparar as candidaturas para eleições autárquicas la onde for possível apresentar, tendo sempre em linha de conta as capacidades e os recursos que o partido possa vir a angariar.

- Apresentação no Parlamento do Projeto-lei de Revisão Constitucional.

- Esperamos que a nível da governação, o governo aproxime das promessas que fez aos cabo-verdianos em 2016, pelo que iremos estar muito atentos para posicionarmos lá onde for necessário para criticar a governação. Mas, também sugerir medidas que irão de encontro a melhorias das condições de vida dos cabo-verdianos.

A atenção especial será dada aos setores Social e Ambiental

- A situação laboral que continua precária em vários setores de atividades (setor marítimo, industrial, educação saúde, Administração Pública etc) sediadas no país fará parte das nossas preocupações, pelo que deveremos fazer a pressão necessária de modo a que o Governo tenha a coragem de reverter a situação que do nosso ponto de vista não é boa.

- Veja que continua a existir uma grande contradição por parte dos governantes do país, quando anunciam projetos ambientais e fixam metas e datas com compromissos ambientais. No entanto a queima do lixo à céu aberto no país, infelizmente ainda é uma realidade em quase todas as ilhas do arquipélago, lançando uma boa quantidade de CO2 para atmosfera poluindo ainda mais a mesma e colocando em causa a saúde pública no país.

- A situação laboral dos bombeiros a nível nacional e particularmente de são vicente encontra-se estagnada, devido a ausência do Estatuto desta corporação e que nunca mais sai da gaveta do Ministro da Administração Interna, terá um enfoque especial nas nossas intervenções.

- Investimentos anunciados que tardam em chegar particularmente os anunciados para a ilha de são vicente, iremos estar muito atentos nesta matéria.

O setor económico e fiscal será seguido de perto com as nossas intervenções

- Continuaremos a alertar o Governo da promessa do crescimento do PIB em média 7% ao ano e a criação dos 45 mil postos de trabalho digno, o que até ainda não chegou aos 1000 postos de trabalho.

- Do nosso ponto de vista os contribuintes cabo-verdianos (micro e pequenas empresas e famílias) de uma forma geral encontram-se sufocado em termos de impostos.

- Estamos atentos igualmente ao sistema de transporte de uma forma geral no país:

                Transporte aéreo – Reposição do voo da Cabo Verde Airlines a partir de São Vicente para Europa e vice-versa.

                Transporte Marítimo – estaremos atentos ao cumprimento do contrato por parte da empresa que ganhou o concurso internacional de transporte marítimo de passageiros e mercadorias inter-ilhas, bem como a situação de Reforma dos trabalhadores marítimos nacionais. A situação do transporte marítimo inter-ilhas deve ser revertida – mercado de monopólio – o mercado antes era liberalizado e passou para monopólio.

                Transporte Terrestre – daremos uma atenção especial as medidas que foram tomadas pela camara municipal da Praia e pelo governo no que concerne aos taxistas e hiacistas e que lesam o interesse destas classes e a própria economia local.

                - Funcionamento do parlamento cabo-verdiano quinzenalmente, é claro que não satisfaz o país:

- A chamada do 1.º Ministro mensalmente ao parlamento não esta a surtir os efeitos desejados e nem está a corresponder as expetativas dos cabo-verdianos, prova é que muitas das preocupações levantadas pelos deputados na decorrência dos debates, não são nem equacionados e nem resolvidos pelo Governo. Constata-se que o Governo ouve e finge que não ouve e as coisas continuam na mesma.

- Relativamente a feitura das leis – o governo deve deixar a feitura das leis para o Parlamento que no sistema democrático deva assumir a centralidade do poder e feitura das leis. Grande promiscuidade: O Governo faz as leis e ele mesmo aplica essas mesmas leis.